Notícia

Investigador da Polícia Civil é baleado durante operação na Serra

Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública, Roberto Avelino, lotado na Delegacia Patrimonial, está em estado grave no hospital

Viatura descaracterizada da Polícia Civil com marca de tiros
Viatura descaracterizada da Polícia Civil com marca de tiros
Foto: Internauta Gazeta Online

Um investigador da Polícia Civil foi baleado durante uma troca de tiros com bandidos, às 15 horas desta segunda-feira (20), no bairro Novo Horizonte, na Serra. Ele e um outro policial faziam investigações de um crime quando foram surpreendidos pelo bando.

Segundo a Polícia Civil, o investigador Roberto Avelino, 57 anos, e um colega buscavam informações sobre os autores do latrocínio (roubo seguido de morte) do cabeleiro Wamevo Santos Cardoso, ocorrido no último dia 16, em Manguinhos.

O tiroteio aconteceu quando os policiais entraram na Rua Rouxinol. “Os dois estavam em uma viatura descaracterizada quando se depararam com um grupo de indivíduos envolvidos com o tráfico de drogas. Houve troca de tiros e um dos disparos atingiu o nosso policial”, contou o delegado-chefe da Divisão de Segurança Patrimonial (DSP), Jordano Bruno Leite.

A viatura, um Astra de cor preta, foi atingida por dois disparos no para-brisa. Avelino, como é conhecido na corporação, estava no carona do veículo. Ele e o colega saíram da viatura e revidaram os disparos. Um dos bandidos também foi baleado, mas conseguiu fugir.

Avelino foi ferido por um tiro no peito, que perfurou o pulmão e também atingiu o coração. O outro policial civil, que não se feriu, colocou o investigador na viatura e o levou para o Hospital Jayme Santos Neves.

Ao dar entrada no hospital, o policial sofreu uma parada cardíaca. A equipe médica conseguiu reanimar Avelino. Em seguida, ele foi levado para o centro cirúrgico. Até a noite desta segunda-feira (20), o estado de saúde dele era considerado grave, segundo amigos.

AMOR PELA PROFISSÃO

A namorada de Avelino, uma professora de 53 anos, disse que convive com o policial há 10 anos e sabe o quanto ele se orgulha da profissão que exerce. “Ele já passou por outra situação de risco, mas não tinha sido baleado. Avelino ama ser policial e se dedica muito à profissão. Ele é muito forte, sempre praticou esportes e corrida, por isso tenho fé que vai se recuperar”, desabafou.

De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), o secretário André Garcia e o chefe de Polícia Civil, Guilherme Daré, estiveram no hospital onde o investigador está internado e se solidarizam com a família do policial.