Notícia

Movimento não piorou, mas clientes ficam desconfiados em açougues na Grande Vitória

Operação da PF revelou um esquema de corrupção que teria levado ao mercado até mesmo carnes estragadas

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, deixou consumidores apreensivos em todo o Brasil. A operação revelou um esquema de corrupção que teria levado ao mercado até mesmo carnes estragadas. No entanto, de acordo com comerciantes com quem a reportagem conversou, os clientes continuam procurando os açougues, mas pedem mais informações sobre os produtos.

Na Vila Rubim, em Vitória, açougueiros disseram que o movimento de consumidores não foi alterado depois da deflagração da operação da Polícia Federal. Em um açougue da região, o fluxo de clientes foi maior que o normal no último domingo (19), segundo a gerente da loja, Marlene de Oliveira.

Ela conta que os clientes que vão ao local procuram saber sobre a procedência da carne. “O consumidor pergunta se a carne que nós recebemos de é um frigorífico de fora ou daqui do Estado. Eu explico que nós temos abate próprio, no município de Anchieta. Eles estão comprando, gostando e voltando porque veem que a carne é fresca”, contou.

Ações dos Procons

O Procon de Vitória vai esperar a divulgação dos lotes de carne apontados com problemas para saber se vai precisar fazer uma fiscalização na cidade. Segundo a gerente do órgão de defesa do consumidor da capital, Hérica Correa Souza, é preciso saber para onde foram enviados os lotes de carne impróprias para consumo para que uma estratégia de atuação seja traçada.

Segundo Hérica, se houver a confirmação de que esses produtos foram enviados para o Espírito Santo, o Procon de Vitória vai identificar os estabelecimentos que comercializam esses alimentos para fazer os recolhimentos das carnes.

Em entrevista à Rádio CBN Vitória, o diretor do Procon da Serra, Sérgio Meneglhelli, disse que no município, os fiscais vão percorrer estabelecimentos para verificar condições de armazenamento das carnes, e selos de inspeção.